OCINÓRI - A Tasquinha do Irónico

terça-feira, maio 02, 2006

E TUDO O DÉFICE LEVOU...


Foi com um certo rejubilo que vi algo no dia 28 de Abril de 2006, para o qual não encontro a palavra correcta! Passo a explicar, qual é o termo correcto para aquele que continua a fazer promessas grandiosas mesmo depois das eleições terem acabado! Pura demagogia da verdade num rol de palavras para alegrar quem quer continuar cego! Bem-haja!
O nosso primeiro visitou a região na qual habito há pouco mais de 1 ano e deixou-me deveras comovido a pedir desculpas pela falta de algo a esta região mas a verdade é que com uma mão se dá e com as duas se tira!
As leis mestras apontam o caminho para o encerramento do Hospital de Bragança, acho bem! Concordo plenamente que se reduza o défice e é uma jogada inteligente deste Governo! Ora vejamos, sabemos que a população do nosso interior está envelhecida e os grandes casos de saúde apontam maioritariamente para este tipo de pessoas de idade tenra… logo, se os nossos idosos têm de se deslocar uma boa dezena (chegando mesmo a centena) de quilómetros existe uma maior probabilidade de falecerem a meio do caminho! Morrendo estes a meio do caminho, serão menos a quem o Estado tem de pagar pensões, guardando assim uns milhares de euros nos seus cofres! Reduz-se o défice! Bem pensado!
Ah! E já agora, ouvi a vossa excelência dizer que no Distrito Transmontano cada cidade iria ter uma especialidade em Saúde! Correcto! Se eu tiver uma dor de barriga vou a Mirandela e ao mesmo tempo se partir a cabeça por causa das dores, vou fazer o curativo a Miranda do Douro… e como a barriga está num sitio, a cabeça noutro, o resto do meu corpo vai para Macedo para autopsia mas como não chegasse se calhar acabava num museu de Bragança num frasco de formol! Tenha dó!
Ouvi também dizer, que vão haver escolas a fechar por todo o interior, acho bem! Que se lixe que tenham de andar muitos quilómetros por dia… ainda bem, assim tornam-se mais fortes e robustos, podem apreciar a natureza… mas o primeiro objectivo não é este mas sim o facto de estas crianças abandonarem as escolas depois da 4ª classe feita e assim ajudam para o desenvolvimento do país e contribuírem um poquito para a Segurança Social! Que saudades temos nós desse passado, uma população com a 4ª classe é docilmente domesticada (uma sociedade evoluída intelectualmente tem outro tipo de exigências para com a classe politica e isso nós não queremos!)! Bem pensado!
E a maternidade senhor primeiro? Aqui também concordo consigo! Vamos então criar as condições básicas para as afastar da população… Sempre se poupa mais uns milhares nos abonos de família (nem se quer dá para comprar um bolo quando o puto faz anos.
- Ó Mãe atão o meu boulo?
- Ó filho apaga as velas e depois come-as… pode ser que te saibam a bolo!)! Bem pensado!
Finalmente! Finalmente Trás-os-Montes vai ter uma auto-estrada! Passo a repetir… Trás-os-Montes vai ter uma auto-estrada! É óbvio que o nosso primeiro conseguiu passar a escova a esta região, ao dizer que não se pagaria portagens. Até pode ser verdade mas o intuito do governo não é esse!
Passo a explicar, com o fechar de maternidades, com o fechar dos pilares da sociedade (educação), hospitais, órgãos estatais e tantas outras coisas triviais é notório que querem que a população do interior se desloque para o litoral (será mais correcto se calhar dizer Lisboa e Porto), deixando assim o interior entregue ao abandono, obrigando as pessoas a prescindir de um bom bocado de qualidade de vida nestas pequenas cidades… Enfim! Bem pensado!
Assim as pessoas poderão utilizar a auto-estrada para mais depressa poderem alcançar as cidades de Lisboa e Porto! Bem pensado!
Mas senhor primeiro, não se lembrou de um pequeno pormenor, essa auto-estrada também nos leva a Espanha e é uma ponte de fomento de fuga de mão-de-obra barata (que governo e patrões tanto gostam) para outros países da Europa! Erro Crasso!
Já estou a imaginar daqui a uns anos, Bragança uma cidade completamente deserta onde a única coisa útil que poderemos fazer, é assistir a uns duelos (tipo western, naqueles cidades abandonadas, poeirentas e abrasadoras) na Avenida Sá Carneiro… sempre poderia ser explorado pelo estado e ganhar-se uns trocos para reduzir o défice! Bem pensado!
Por isso, a minha pergunta é: com o vosso intuito de levar as pessoas para Lisboa e Porto, o nosso Portugal (onde realmente são só estas duas cidades, o resto é paisagem!) não vai tombar para o mar por causa do peso? Olhe que se calhar…
(Título gentilmente imaginado e cedido por Liliana Dias)
(Texto de Rtente (Tentini) - Maio de 2006)

4 Comments:

  • Conheces "Palavras Cínicas" de Albino Forjaz de Sampaio?
    Como folgo em saber que há alguém muito mais subtil, cremoso, suave...
    Encontrei este Blog quando procurava algo sobre caligrafia. tss tss.. melhor era impossível.
    Nunca encontrei ninguém com a perfeição cínica da palavra como o Albino Sampaio, mas a Vossa ironia... Senhores, aqui existe terra rica!
    Apresenta se um olhar para lá do horizonte. Tão pouco tempo e tanta reflexão. Claro q esta reflexão aplica se a toda a "paisagem", mas está perfeitamente adequada ao "loco" exibindo exemplos q confirmam analise e tratamento. Tratavas, não tratavas, trataria, tratei, tratavas tratavas.
    E sobre as gentes...?
    Gosto de ler... Sinceramente, há algum tempo q não me dava a estes trabalhos.
    Mas, se conhecerem algum site de Caligrafia Aplicada, avisem me!
    Cumpts, Lanka

    By Anonymous cínica ironia, at 8:32 da tarde, maio 02, 2006  

  • Mas deixem dizer q não aprovo muito essa "censura" q é a Blog Owner aprovaçao!
    Cumpts, Lanka

    By Anonymous Censurex, at 8:39 da tarde, maio 02, 2006  

  • Bragança, boa terra, com clima extremo, com boa gente e gente boa, boa comida, bom vinho, bons comedores e melhores bebedores, não é assim tentini?...
    Bom, além de um comentário, este texto pretende ser, com a tua devida autorização, um complemento ao por ti publicado.
    Bragança é, sem dúvida tudo aquilo que atrás referi e muito muito mais, mas (ora já cá faltava o "mas"...) alguém se anda a esquecer de nós há muitos e muitos anos!!!! Aposto que querem saber quem!... NÓS PRÓPRIOS, Brigantinos de sangue, de nascença, também os de adopção, todos os que vivemos cá por esta bela Bragança!!!
    Todos os exemplos que foram apresentados no texto do Tentini chegam e sobram para fazer notar isso, mas eu apresento apenas mais um, este já passado: o ROUBO do nosso comboio!!! Foi roubo, pois é a única palavra que eu encontro para explicar a vinda de uns tantos camiões ás 4 da madrugada para carregar e levar as carruagens!! Ora pois bem, as nossas gentes indignaram-se, até protestaram, mas o mal já estava feito, e por aí ficou (as traves de ferro da linha até deram jeito para algumas bricolages...)
    Este episódio é já passado, pouco ou nada se pode fazer relativamente a ele, mas os que aí vêm toda a gente os conhece, ninguém vai ser apanhado de surpresa caramba! Vamos lá minha gente, vamos mexer, vamos defender o que é nosso por direito!!!! Vamos deixar de ter o discurso de sempre, o de: "Ai isto tá mal, cada vez pior, este salafraio do Sócrates vai-nos tirar tudo, inté a Maternidade dos garotos, esse malvado!!!! Hhummmm... Ai é?! Vamos ter auto-estrada?! Eu cá bem sabia que o senhor Primeiro-Ministro não se ia esquecer de nós!!!"
    Vamos mexer, fazer e acontecer, vamos manter Bragança viva, energénica, vamos fugir ao tal deserto que isto se vai tornando, essencialmente deserto de ideias e ideais!!!! É que Espanha está aqui mesmo mesmo ao lado, e por este andar não há amor à Pátria que consiga resistir!!!!

    By Anonymous N.Garcia, at 2:31 da tarde, maio 03, 2006  

  • Desculpem, mas não resisto a perguntar. Que fazeis vós para mudar o rumo das coisas? Confio que fazeis alguma coisa, só assim se pode dar o sentido merecido ás palavras. Estou muito curiosa com isso.
    Concordo com tudo o que foi dito (essa do roubo do comboio foi magnifica! nunca pensei haver outro alguém da minha geração que ainda se sentisse revoltado com isso - também foste nesse característico comboio acampar para Dine?)
    Mas, continuando, que fazer? Será uma obra da juventude ou terá que se começar pelos centros de comando (muitas vezes a km de distância), numa geração nascida nos anos 30, 40 e 50 e com filhos a não querer ir passar férias à terra, com novos ritmos de vida que se desajustam completamente aquela “vidinha” do berço?
    Do que eu conheço, são raros os casos de jovens que saem para estudar e voltam para trabalhar. Porque será? E os que não saem, entram na rotina e no rame rame de um dia a dia em que as pessoas se habituaram a confiar em alguém que pense por elas. Esta confiança só resultou em traições atrás de traições. Atraiçoam se as gentes, atraiçoa se a terra, atraiçoa se a perspectiva de um futuro pleno de oportunidades em busca de benefício proprio. Sabemos bem que estas terras estão cheias de círculos viciantes em que o controle existe espalhado por pontos estratégicos. E claro, na mão de muitas poucas pessoas!
    Já alguma vez tentaram entrar nesses círculos sem serem convidados, ou já tentaram transformar um círculo num ponto de fuga?
    Tarefa difícil…. Não impossível, mas não me parece que os filhos da terra tenham armas para lutar e resistir.
    As pessoas calam. Calam porque confiam. Confiam porque não sabem. E não sabem porque durante muito tempo, e um tempo muito recente, a preocupação era plantar a terra. E enquanto plantávamos a terra, lá fora distribuíam se dinheiros bons por pessoas más.
    E que futuro podíamos dar a Bragança? E que sector desenvolver numa terra como Bragança? Primário? Secundário? Terciário?
    Ás vezes quero acreditar que alimentar o bichinho do ensino superior podia ser uma solução. Sem dúvida o caminho da educação (por muito má) abre boas perspectivas, cativa gentes e obriga ao aperfeiçoamento dos serviços e das prestações de serviços (para além dos bares e quartos arrendados).
    O turismo. Ah, o turismo…. Trás-os-Montes é único. Tal como é único o Alentejo, o Algarve, o Haiti, a Antártida… mas ser único não basta. E, por outro lado, poderíamos acabar transformados numa “reserva”!
    A indústria…. Definitivamente não! Mas aberta a discussão…
    Bragança tenta sobreviver. Mas, digam-me, será que a Amadora também não tenta sobreviver? E Beja? E Santa Maria da Feira?
    Alguém conhece um cantinho em Portugal onde não se tente sobreviver e se consiga “viver”?
    Em Lisboa garanto que não!

    Cumpts, Lanka

    By Anonymous Que Futuro?, at 8:59 da tarde, maio 03, 2006  

Enviar um comentário

<< Home